sábado, 10 de janeiro de 2009

Nº22: Hugo Cardoso Porfírio


  • Hugo Cardoso Porfírio.
  • Extremo / Avançado.
  • Nasceu a 28 de Setembro de 1973 em Lisboa.
  • Títulos no Sporting: Nada a assinalar.
  • 3 Internacionalizações por Portugal.

O Porfírio foi uma das maiores esperanças que saíram das camadas jovens do Sporting, sendo o jogador perfeito para colocar o rótulo de promessa eternamente adiada. De facto, apesar de ter chegado a internacional e de ter representado clubes de renome nunca confirmou as expectativas que criou à sua volta quando ainda era júnior do Sporting. Retirou-se no final da época passada depois de ter andado esquecido pelas divisões inferiores.

Sempre foi um jogador rápido e que se destacava pelo seu pé esquerdo fantástico, com uma técnica acima da média, pelo que foi sem surpresa que na época de 1992/93 começou a ser chamado por Bobby Robson para treinar com a equipa principal depois de se destacar nos juniores. Chegou mesmo a participar em 2 jogos, contabilizando apenas 53m nessa época. A sua estreia deu-se a 8 de Maio de 1993 na 30ª jornada do Campeonato no jogo em que o Sporting recebeu e venceu o Beira-Mar por 3-1, com golos de Juskowiak aos 52m e 83m e de Cherbakov aos 62m, quando entrou aos 85m para o lugar de Balakov. Na última jornada do Campeonato estreou-se a titular jogando os primeiros 45m do jogo, em Alvalade, frente ao Paços Ferreira. Foi no dia 6 de Junho de 1993 e o Sporting venceu por 3-1 com golos de Iordanov aos 66m, Capucho aos 82m e Cadete aos 89m. A equipa que alinhou nesse dia foi a seguinte: Rogério Peres; Nelson, Peixe, Carlos Jorge e Paulo Torres; Capucho, Figo (Iordanov, 57m), Filipe e Porfírio (Balakov, 45m); Cadete e Juskowiak. No final da época iria participar no Mundial de Juniores da Austrália onde jogou 2 jogos.
Na época seguinte, Porfírio jogou um pouco mais ao disputar 9 jogos para o Campeonato e 4 para a Taça com 1 golo marcado. Esse golo aconteceu no dia 15 de Fevereiro de 1994 em jogo a contar para os quartos de final da Taça, em Alvalade, frente ao Trofense (3-1). Sob arbitragem de Fortunato Azevedo, o Sporting alinhou com: Lemajic; Nelson, Peixe, Valckx e Paulo Torres; Capucho, Poejo (Iordanov, 45m), Paulo Sousa e Pacheco (Porfírio, 68m); Cadete e Juskowiak. Os golos foram apontados por Capucho aos 29m, Iordanov aos 52m e Porfírio aos 88m.


Era preciso ganhar maturidade e experiência, pelo que Porfírio foi emprestado pelo Sporting na época de 1994/95 ao Tirsense. A equipa de Eurico Gomes atingiu um impressionante 8º lugar tendo em conta que tinham acabado de subir de divisão e Porfírio disputou 19 jogos, pelo que na época seguinte foi novamente emprestado, desta feita ao U. Leiria. Pode-se dizer que explodiu como era previsto ao disputar 28 jogos e marcar 8 golos no 7º lugar da equipa. Chega à selecção nacional pela mão de António Oliveira num jogo frente à Irlanda em Dublin, na vitória de Portugal por 1-0. Foi convocado para o Europeu de Inglaterra onde apenas jogou os 15 minutos finais do jogo da fase de grupos frente à Turquia, sendo que a sua última internacionalização data de 9 de Novembro desse ano, na vitória caseira de Portugal por 1-0 frente à Ucrânia já com Artur Jorge ao leme da equipa das quinas. Voltando ao Verão de 1996, Porfírio foi uma das figuras da selecção portuguesa que conseguiu um inédito 4º lugar nos Jogos Olímpicos de Atlanta, sob o comando de Nelo Vingada.

Regressou a Alvalade como grande esperança, mas não passou disso mesmo ao apenas ter jogado por 2 vezes com Robert Waseige. Foi na 1ª jornada do Campeonato, na vitória em Espinho por 3-1, quando entrou aos 69m para o lugar de Missé-Missé e na 1ª mão da 1ª Eliminatória da Taça UEFA em Montpellier (1-1) quando entrou aos 70m para o lugar de Dominguez. Foi emprestado no mercado de Inverno ao West Ham, onde marcou 2 golos em 23 jogos no 15º lugar da sua equipa no Campeonato.
Já com o rótulo de promessa adiada foi vendido pelo Sporting ao Racing Santander onde chegou como contratação mais cara da história do clube. Nunca confirmou o seu valor, destacando-se por uma permanente má forma física. Mesmo assim jogou 20 jogos e marcou 1 golo, no empate a 2 bolas frente ao Tenerife, e coleccionou cartões (9 amarelos e 2 vermelhos). A equipa ficou no 15º lugar da Liga Espanhola.

Na época seguinte chega ao Benfica pela mão de Vale e Azevedo, mas volta a ser uma desilusão. Jogou apenas 6 jogos em 2 épocas na equipa principal e marcou 2 golos na Taça. Muito pouco para quem, na conferência de imprensa em que foi apresentado, disse que “não tinha nada a provar a ninguém”. Na época de 1999 foi emprestado ao Nottingham Forest onde apenas jogou 9 jogos e marcou 1 golo. No que restou do seu contrato com o Benfica jogou na equipa B e foi emprestado em 2000/01 ao Marítimo onde marcou 1 golo em 17 jogos. Foi dispensado no final da época de 2003/04 para ingressar no 1º Dezembro da 3ª Divisão Portuguesa onde conseguiu algum destaque e ajudou a equipa a ficar no 12º lugar da Série E em 2004/05 e no 5º lugar em 2005/06.
No final da época ruma ao Oriental, para na mesma série, alcançar um 3º lugar com a equipa. Em 2007/08 rumou ao Al-Nassr da Arábia Saudita, para encerrar a carreira no final da época. Hugo Porfírio, sem dúvida uma promessa eternamente adiada.

Carreira

1992/93: Sporting

1993/94: Sporting

1994/95: Tirsense

1995/96: U. Leiria

1996/97: Sporting
West Ham

1997/98: Racing Santander

1998/99: Benfica
Nottingham Forest

1999/00: Benfica

2000/01: Marítimo

2001/02: Benfica

2002/03: Benfica B

2003/04: Benfica B

2004/05: 1º Dezembro

2005/06: 1º Dezembro

2006/07: Oriental

2007/08: Al-Nassr

Carreira no Sporting*

1992/93: 2 - / - - / - -

1993/94: 9 - / 4 1 / - -

1996/97: 1 - / - - / 1 -
(Até Dezembro)

*Época: Campeonato (J; G)/ Taça (J;G)/ Europa (J;G)

Avaliação: Flop

6 comentários:

Peter of Pan disse...

Flop, sem dúvida. Uma pena, porque o miúdo tinha talento. Mas infelizmente o Sporting também consegue ser um cemitério de jogadores (Porfírio, Dani...)

Anónimo disse...

Podia ter tido uma grande carreira, mas faltava-lhe cabeça e humildade. Fez uma grande época no Leiria e outra razoavelmente boa no Marítimo. Nas selecções brilhava e penso que no Sporting lhe faltaram oportunidades. Se tivesse a idade do Pereirinha ou do Djalo já se tinha afirmado na equipa! Mas nao deixa de ser um flop.

Lourenço de Almeida

Ricky_cord disse...

Muito talento. Pouca cabeça

sloct disse...

Nasceu com 10 anos de avanço. Talvez, e repito, talvez, hoje não se perdesse.

Flop, sem dúvida.

Anónimo disse...

Jogador que se tornou muito indisciplinado o que impossibilitou a sua recuperação para o futebol. Quando chegou ao Marítimo tinha tudo para relançar a carreira.
Na Madeira mostrou muito futebol mas muita indisciplina, fartou-se de ofender os árbitros!
Este jogador proporcionou um dos momentos mais cómicos que assisti no futebol! Porfirio tinha sido expulso nos últimos dois jogos(penso que foram mesmo 2, mas sem certezas) que tinha realizado pelo Marítimo, por palavras dirigidas ao árbitro e uma agressão, se não me engano, e apesar do bom futebol começava a ser muito contestado pelos adpetos pois prejudicava muito a equipa.
Em pleno Estádio dos Barreiros, a equipa maritimista atacava quando Porfirio faz uma falta normal atacante. Os adeptos colocam as mão na cabeça, ouve-se um burburinho, seria a 3ª expulsão? O jogador reage à marcação da falta, dentro do normal, contem-se e sai do local de forma apressada. Passa a uns 2 metros do árbitro, sendo que este prontamente lhe mostrou o cartão vermelho! O Porfirio continua na sua passada, parando já no meio campo defensivo, sem se ter aprecebido do cartão vermelho. O árbitro já distante faz questão de levantar novamento o cartão na direcção do jogador e este responde prontamente com a mão no ar com o seu dedo do meio bem esticado!

Bruno V. disse...

Um dos maiores flops não só do Sporting como de todo o futebol português. Tinha tanto de bom jogador como de indisciplinado e temperamental. Gostava muito das suas qualidades futebolísticas e tenho pena que se tenha perdido assim.